O mundo é uma casa de passe com as paredes salpicadas de geleia de framboesa |   O mundo é um matadouro disfarçado com as paredes forradas de cetim |   E num salão baunilha e sangue-de-boi eu vim a mim |   Gosto de gostar de si num sítio assim |       in Obra de Adília Lopes